ESTA TARDE (F)SOMOS JOVENS

Nilson Achanoveber, Marcos Aurélio Carvalho & André Maurício Corrêa
... por um momento, eu esqueci o quanto cresci, esqueci meus cabelos brancos, foi como entrar na máquina do tempo, e voltar 27 anos atrás ....


Estes dois cidadãos, ao meu lado esquerdo, e, ao meu lado direito, fazem-me afirmar com a certeza de um cientista e a loucura de um escritor, que a máquina do tempo existe...

As melhores lembranças dos primos na minha infância estão ligadas aos jovens senhores Nilson e André...

Esperar o Nilson no fim do ano, era motivo de ansiedade. Um menino inquieto, engraçado, às vezes irritante, mas sempre, sempre, companheiro. O cara com quem eu e o Nando dividíamos toda as tarefas da casa.

Capinávamos terrenos dos vizinhos, vendíamos picolé, guardávamos o dinheiro para comprar os "presentes", e algumas coisas que o destino, por sorte, nos tirou... Sim, por sorte, se tivéssemos tudo, faltaríamos o essencial, o motivo que nos unia.

Desde novembro eu e o Nando esperávamos ansiosos uma ligação de Curitiba, do vô, dizendo que no próximo fim de semana traria o Nilson. Quando o sábado chegava, ficávamos sentados, bem eu sentado, o Nando aprontando, na escadinha da cozinha, com olhos no horizonte da rua Nacar aguardando um Sr baixinho bigodudo, e um menino testudo.

E o coração vinha a boca, quando eles apontavam ao longe. Era uma correria só, ainda que 25 minutos depois surgisse a primeira briga...

Foram anos de encontros, chegadas e partidas. Anos de histórias, anos de vida. Esta maravilhosa vida.

O André foi o cara que apresentou algumas das coisas mais lindas que conheci na vida. Dentre elas a música, e, com "A suavidade do vento" (re)despertou meu gosto pela leitura e pela escrita.

Foi um companheiro de infância, adolescência e juventude. O cara que me recebia em Curitiba todo ano, e, foi um confidente, amigo, e também companheiro.

É a também o profissional que revisou algum dos textos mais importantes que escrevi na vida, dentre eles, o discurso da minha formatura.

Sempre que a vida me passava uma rasteira, eu subia a serra e encontrava neste primo o amigo que eu precisava.

Neste domingo, 3 de novembro, visitamos o Parque Tingui em Curitiba, e revivi em silêncio, mas com o coração repleto de felicidade, o meu Memorial da Vida. Onde está gravado no coração momentos de minha infância, dos quais sinto muita saudade!

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OBRIGADO PELOS PRESENTES!

AMIGAS & AMIGOS

DEZ ANOS